Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, 3 de abril de 2010

ENGRENAGENS


Li, há tempos, um texto do António Lobo Antunes em que ele falava sobre um relógio, que já vinha do seu bisavô, um relógio de mesa, trabalhado, e cuja decoração estava ligado a cavalos, ferraduras e freios. E ao olhar e tocar aquele relógio veio-lhe à memória o seu bisavô, o avô e o pai e aproveitou esta ocasião para reflectir sobre os tempos, as mudanças, as sensibilidades...

Não sei muito bem o porquê do meu fascínio por mecanismos, por motores, por relógios, pelo tempo e pelo rigor nos horários. Como que vivendo no meio de um imenso mecanismo, cujo tic-tac me envolve. Esta quase paixão levou-me à procura do modo de funcionamento das máquinas, à descoberta das engrenagens, das rodas dentadas, das desmultiplicações...

E tudo isto trouxe-me à memória a fábrica de Lanifícios de meu avô Manoel, em Vila  Cova à Coelheira, perto de Seia. Um edifício grande, rasgado de janelas largas para que a luz pudesse entrar em grande quantidade, pintado de um branco imaculado, com uma enorme roda exterior, uma nora gigante, que girava pela força das águas vindas de um açude do rio Alva.

Sempre que chegava à Fábrica, habitualmente na companhia do meu tio Francisco, o encanto era infindável. A tal nora gigante a girar e a transmitir rotação ao eixo de ferro, que atravessava o edifício, e ao qual estavam ligadas rodas de vários tamanhos, umas em ferro, outras em madeira em forma de tambor, as correias de couro que transmitiam o movimento dessas rodas aos teares, às caneleiras, à dobadeiras... as rodas dentadas que continuavam o movimento a tudo o que fosse máquina. Tudo isto com um ruído de fundo como se fosse um matraquear ritmado, engrenado, quase como o tic-tac de relógio apressado, ampliado e reverberado por toda aquela maquinaria.

Também o cheiro da lã virgem, o aroma das tintas que iam dar cor ao fio da lã já dobada, o odor acre do ácido sulfúrico usado para a fixação das cores e o do óleo e da massa consistente necessários para lubrificar aquelas engrenagens todas, impregnavam-me as narinas como se fosse perfume dos deuses.

E, lá em baixo, o rio Alva!

E, cá em cima, o açude, que guardava a água que, depois de canalizada, ia fazer girar a roda gigante. Era um local mágico, um paraíso isolado de um mundo de casas e de fábricas, quase irreal, mas magnífico, um ambiente feito de sombras cúmplices, de matizes de cor criadas pela luz filtrada através das folhas, de murmurejares que o correr das águas deixava escapar, de espumas leves que rapidamente se desfaziam... Quantas horas ali fiquei esquecido a encantar os meus sonhos, a mergulhar nas ondas da imaginação, a sentir o fresco das sombras, a escutar a natureza e a voar com os pássaros abrindo as asas em aventuras fantasiosas. Momento únicos que deixei fixado na película das minhas memórias.

Ao mesmo tempo tudo isto parece um contra-senso! Por um lado, a precisão das engrenagens, as rodas dentadas, o rigor das formas, o risco certo dos desenhos executados pelo debuxador e os tecidos geometricamente feitos nos teares e, por outro lado, a fluidez das águas, as sombras que se vão modificando com o caminhar do sol, o voo irrequieto das aves, a assimetria dos movimentos...

É como a vida! Um mundo e um viver de contrastes que se interpenetram, que se bebem e mesclam de forma cúmplice fazendo, assim, o sal da vida!  

1 comentário:

Anónimo disse...

As fabricas de lanifícios... lembro tão bem em Gouveia e nessa zona...
Beijinho, Raul e obrigada pela partilha. Bom relembrar...
Joana Menano