Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 21 de março de 2018

COM O QUE RESTA DO NADA

(com o resto de tinta de um aparo de caneta de tinta permanente, já depois de lavado e passado várias vezes por água, o dito aparo insistia em riscar, de tinta preta, a folha de papel... E, em vez de estar a riscar uma folha de papel, lembrei-me de escrever qualquer coisa!)

Com o que resta do nada
Desta caneta de tinta
'Inda escrevo uma quadra
Cheia de ritmo e de pinta

Acho mesmo que dá pr'a duas
As quadras para escrever
É como o mês com as luas
Uma lua a morrer,
E outra lua a nascer

Pelo andar da carruagem,
Ainda escrevo terceira
Não chego ao fim da viagem
desta tinta derradeira.

Uma quarta, vai a caminho
Na ponta desta caneta
E, se a usar devagarinho
A tinta ainda sai preta.

Ora, quatro já lá vão
E já vou a entrar na quinta
Isto está uma animação
Até que a caneta consinta.

E a sexta a sair
Nesta corrida sem fim
Já não sei mais que parir,
Ai de mim, ai de mim...

Acho que vou terminar
Dar por finda esta matéria
Tudo tem um acabar,
Até mesmo esta pilhéria!

(E acabou mesmo, a tinta do aparo!)

O DIA DO PAI!

O meu filho André manifestou-me a sua satisfação por hoje ser o dia do PAI com estas palavras escritas no Mesenger:

"Feliz dia do Pai!
Amo-te. És um exemplo, um orgulho, um professor, um grande apoio, um amigo. És o meu pai."



Foi uma boa, ou a melhor, maneira de começar o dia.
Tenho pena de Hoje não poder dizer a mesma coisa ao MEU PAI.

Ele que, se fosse vivo, teria festejado os 100 anos no passado dia 13! E, não foi por ele não estar connosco que não deixámos de comemorar a passagem do seu centésimo aniversário... sem bolo, sem espumante, sem velas, mas com a melhor expressão da saudade que, ELE, todos os dias nos deixa... lembrámos o seu sorriso, as suas quadras, os textos que ia deixando aos filhos, os seus escritos, o seu amor imenso pela minha Mãe, que na agonia do seu viver, se associou às recordações, às memórias e deixou escorrer uma lágrima à saudade que sente por ele.

De qualquer modo, sem a presença física, mas com a lembrança bem viva recordo e festejo este dia com alegria por tudo o que o meu Pai nos soube transmitir, pela sua maneira de viver, pelo seu exemplo, pelo seu entusiasmo, pela sua bonomia, pelo sorriso, pela boa disposição, pela forma como tratava, bem, as pessoas, pela dedicação aos filhos mas, sobretudo, pelo amor imenso que tinha pela nossa Mãe!

Lá, onde estiveres, PAI, recebe o nosso beijo, meu e das minhas irmãs e também da MÃE que todos os dias pensa e fala de ti!

E, lá de cima, vai deitando o olho a ver se tudo está bem!

Beijos, meu PAI!

terça-feira, 13 de março de 2018

 
 
VARRER PARA DEBAIXO DO TAPETE
Hoje, ó Facebook, estou a pensar naquelas empregadas que, para não se maçarem, varrem a sujeira para debaixo do tapete. Vão varrendo, mal, e no final, em vez de irem buscar a pá do lixo e o deitarem no caixote, pura e simplesmente, varrem tudo para debaixo do tapete dando a ilusão que está tudo limpo, bem arrumado e a brilhar... O pior é a porcaria que fica debaixo do tapete, escondida dos olhos dos outros, iludindo quem lhe paga o ordenado...
É que hoje, ao ler as notícias dos jornais, fiquei com essa sensação... a de que me estão a enganar, a pôr tudo bonito, sem poeira, a brilhar... como o caso de que mais de 60% da nossa via férrea está classificada como medíocre ou muito má, ou o do secretário-geral do PSD que pôs no seu currículum vitae que era professor convidado da Universidade de Berkley quando, afinal nunca por lá passou e a própria Universidade já negou, ou a situação do SNS que está a rebentar pelas costuras - são as urgências que não funcionam, são os serviços que não têm médicos especialistas, são os Directores de Serviço que se demitem porque não têm condições mínimas aceitáveis para trabalhar, são as dívidas aos fornecedores, e muitos mais etc... - e o Governo a encher o ar de fogos de artifício, de muitas festas e imensos êxitos quando tudo é fátuo, mentido, aldrabado, camuflado, disfarçado, baseado em estatísticas manipuladas e duvidosas... é a dívida pública, que aumenta assustadoramente...
Estaria aqui a manhã toda a encher o chão do tapete com todo o lixo para tentar enganar o povo que paga os governantes, que paga os políticos, que paga os serviços públicos... O problema é que, com tanto lixo, o tapete começa a ficar com altos e torna impossível o pisar por cima...
É pena que não olhem atentamente, no dia a dia, para o lixo e a porcaria que a "empregada" nos anda a esconder...
No final, quando voltar a haver eleições, volta tudo a repetir-se: despede-se a "empregada" e contrata-se outra que, se não nos precavermos, ela começa, a pouco e pouco a meter o lixo debaixo do tapete... 

sábado, 9 de dezembro de 2017

O ADVENTO




É o tempo que há-de vir, o tempo que anuncia a chegada e que celebra as quatro semanas que precedem o Natal!

Os meus Natais de infância, quando ainda tinha avós, eram passados em casa deles... na Beira Alta, no tempo em que o Natal era mesmo frio, gélido, com ventos cortantes, que traziam ainda mais frio, vindos da serra da Estrela, geada e, por vezes, neve... um frio tanto, que até fazia "caramelo" na parte de dentro dos vidros das janelas.

Mas esse frio e esse desconforto eram compensados pelo imenso calor humano, fraterno, filial e "avoento" que ali era gerado.

E o Natal era bem preparado... o tempo do Advento, era o tempo de reflexão para o Natal que aí vinha, mas era também, o tempo para estarmos todos juntos, os avós, os pais, os tios e os primos, tanto do lado da Mãe como os do lado do Pai...


As casas dos avós, que ainda lá estão, quase se olhavam de frente e, então, se não estávamos num lado, estávamos no outro...

Na cozinha a forno de lenha da avó Isabel, a Luísa preparava as filhós, o arroz doce e os coscorões... já a minha avó Laura, excelente cozinheira e doceira, enchia a casa de aromas açucarados com toques de canela e de casca de laranja das rabanadas e que, ainda hoje, despertam as mais saudosas lembranças olfativas...

Os presépios, tanto numa casa, como na outra, eram a sério... com musgo, com espelhos a fazer de lagos, com a neve e os caminhos desenhados a farinha, com toda uma colecção de figuras cheias de cor, com os Reis Magos montados em camelos e, na cabana com telhado de palha, salpicada da tal neve enfarinhada, lá dentro, a família do Natal, com o menino de perna cruzada, mais a vaca, o burro e algumas ovelhas e, do lado de fora, uma estrela com cauda de cometa a apontar o local aos Magos que ainda vinham longe.

Como ainda não havia Coca-Cola, não havia o hábito das árvores de Natal iluminadas, nem do Pai Natal e das renas a puxarem o trenó... O Natal, nessa altura, pouco tinha de comercial, de compras impulsivas, de profano...

O Natal, nessa altura, era mais tempo de família, de alguma ou muita religiosidade, conforme a crença de cada um, da missa do galo, das lareiras de chamas vivas, de sorrisos, de alegria... mas, também, do tal frio gélido e penetrante, atiçado pelo vento que chegava da Serra da Estrela...




Estes Presépios, das fotografias, são de Estremoz e agora são Património da Humanidade... Obrigado manas Flores!















terça-feira, 17 de outubro de 2017

EM CHOQUE

EM CHOQUE!

Como me costumo levantar muito cedo, mais cedo do que as galinhas, comecei a ficar impressionado com a dimensão e abrangência dos fogos e, acima de tudo, com o número de pessoas que iam morrendo ou sendo descobertas, já mortas, por estes fogos anómalos, assustadores, inquietantes...

Parece que ninguém aprendeu nada com Pedrógão...

Parece que ninguém, dos que mandam e são responsáveis, anda na rua, talvez porque vivem em casas com ar condicionado, andam em carros com ar condicionado e trabalham em gabinetes com ar condicionado, e não se apercebem que, apesar de o Outono ter começado em 21 de Setembro, o calor continua como se Verão fosse...

Mais, provavelmente, porque está muito calor, resolveram diminuir a temperatura dos ares condicionados e começaram a ter algum frio e, vai daí, toca a desativar os meios de combate aos fogos e toca de acabar os contratos com os aviões apaga-fogos, com os sapadores e lá acabaram com a "fase Charlie"... e a culpa não é de ninguém...

A "senhora" ministra queixa-se que não teve férias e não lamenta a sua incompetência e esqueceu-se é de dizer que os mortos de Pedrogão, esses, é que nunca mais irão ter férias...

O senhor primeiro ministro escuda-se atrás do relatório e esqueceu-se que, no tempo do Sócrates, foi ministro da Administração Interna e que não pode fugir das responsabilidades...

A verdade é que morreram 100 pessoas que não deviam ter morrido... passaram 4 meses sobre Pedrógão e ainda este Estado continua a discutir as responsabilidades e não indemniza ninguém...

Este país não existe... é um país que só vê o país dos "êxitos" económicos, dos turistas que nos visitam... um país que produz um orçamento em que há dinheiro para subir os ordenados dos funcionários públicos, para satisfazer as exigências dum mini partido, que perdeu as eleições autárquicas e uma data de câmaras municipais, mas que não tem dinheiro para a defesa do território e das populações...

Um país em que os governantes dizem que as populações têm que ser mais resilientes, mais proactivas, esquecendo, ou nem sequer imaginando, que essas populações são os velhos que ficaram abandonados nas aldeias, que tratam das suas hortas e das ovelhas para seu único sustento... mas que sabem lá ir buscar o dinheiro dos impostos para os mercedes e bmws em que se passeiam quando vão fazer as visitas acompanhados das televisões...

Estou em choque... impressionado... ao fim de 70 anos da minha vida e de 45 a tentar salvar vidas e cuidar da saúde dos doentes... Estas mortes, gratuitas e inglórias, deixam-me em choque...


Quem é que nos governa? Será que temos, mesmo, um governo?

domingo, 8 de outubro de 2017

EU HOJE ESTOU DE FILHO

Eu hoje estou de filho...

Há quem esteja de avó, ou de avô, a tomar conta dos netos...

E os pais, se o sabem ser, estarão sempre de mãe ou de pai, porque assim deve ser...

Sou órfão de pai há alguns anos, e filho de uma mãe abençoada, linda, dedicada, sempre atenta, que soube cuidar e educar os seus filhos, sempre, da melhor maneira.

Agora, o tempo não perdoa, deixou-se levar nos seus 96 anos e 10 meses e começou a perder parte da sua autonomia...

Ela que, desde que o meu pai morreu, viveu sempre só e nunca quis alguém que a ajudasse nas suas tarefas, ou a acompanhasse durante a noite, para não se sentir sozinha, está agora incapaz de estar sozinha...

E chegou a altura de inverter os papéis: deixou ela de estar de mãe a "guardar" os filhos e passaram eles, os filhos, a guardar e cuidar da Mãe...

É por isso que, orgulhosamente, eu hoje estou de filho...




quinta-feira, 5 de outubro de 2017

A LUA


Olh'á lua, dizia ele, menino pequeno de cabelo cor de ouro e olho azul, enorme, pela mão do tio Chico, apontando, com o dedo de apontar, aquela bola amarela enorme, redonda como um círculo perfeito, mas pintalgada de sombras que cada um via de sua maneira... ora um dizia que era um velho com a lenha às costas, outro uma bruxa sarcástica, ou o São Jorge a matar o dragão... ou, ainda, o São Cristóvão, curvado, com o peso do Menino que carregava o mundo consigo...

Sempre o... fascínio dessa LUA mágica, encantada e encantadora... dessa LUA que sorri ao Mundo e que, nesta noite de Lua CHEIA, sem nuvens e neste Outono, de ainda Verão, ilumina a Terra com uma luz suave, esbatendo as sombras, aconchegando as cores, sorrindo às flores, espalhando luz... Obrigado LUA!

sábado, 26 de agosto de 2017

O NASCER DO SOL

O Sol, o astro-rei que comanda o nosso viver... quase se
ia deixando apagar por uma nuvem atrevida que o queria ofuscar...
O nascer do SOL nos mares do Algarve, frente a FARO, seriam umas 6h 30m... por aí!


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

FÉRIAS

Imagino as férias como um período de tranquilidade, de amenidades, de paz... de pôr em ordem os sonos, de conviver com os amigos, de retemperar forças...

Imagino, mas a realidade é que nada disso aconteceu... a manhã começou cedo com o anúncio do sismo na zona de Lisboa, depois foi a chegada dos fumos dos vários incêndios deste país ardido (ainda existe algum eucalipto por arder?) que cobriram os céus deste Algarve abafado, em seguida os habituais cortes das A1 e A23 e mais umas quantas EN com números de 3 algarismos devido ao reacendimento dos mesmos fogos que não se conseguem apagar e, para acabar, o atentado nas Ramblas de Barcelona...

A preocupação, a angústia, as incertezas a tornarem o dia intranquilo na contradição daquilo que eu queria que fosse um dia de férias...

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

SACUDIR A ÁGUA DO CAPOTE





SACUDIR A ÁGUA DO CAPOTE

Hoje foi o azar do carvalho que matou 13 pessoas, há 2 meses foram as 64 mortes nos incêndios de Pedrogão, no dia a dia são os incêndios que vestem de luto este país, amanhã serão as inundações e os desalojados por causa das águas que saem dos leitos das ribeiras ... e estaríamos aqui o resto da noite a enumerar os acidentes preveníveis que poderiam ter sido evitados.

Mas, o pior disto tudo é que ninguém se assume como responsável ou culpado... A culpa, como sempre, morre solteira e toda a gente sacode a água do capote...



ES

sexta-feira, 7 de abril de 2017

AGORA QUE VI AS FLORES...

Agora que vi as flores
Encherem os campos de cores

Agora que senti o cheiro
Da hortelã semeada em Janeiro

Agora que o ondear das searas em desalinho
Se acaba em espuma de estevas na beira do caminho

Agora que as águas da ribeira
Correm serenas, à sombra da macieira

Agora que os dias se tornam mais luminosos
As andorinhas passam à nossa frente em voos vertiginosos

Agora que os cágados estão a despertar
De um sono que parecia não acabar

Agora que as papoilas sorriem ao dia
E o seu vermelho é um grito de euforia

Agora que a paisagem que nos rodeia
Brilha e encanta, como milagres em cadeia

É sinal que o Inverno acabou
E a Primavera chegou...





quarta-feira, 5 de abril de 2017

E SE FOSSE COMIGO?

Acabei, estupefacto, de ler a notícia de que foram arquivados os processos do BPN respeitantes ao dias loureiro e ao oliveira e costa:
"O Ministério Público (MP) anunciou esta terça-feira que arquivou um processo-crime aberto em 2009 em que o antigo ministro social-democrata Manuel Dias Loureiro era suspeito de burlar o Banco Português de Negócios (BPN). "Não obstante as diligências realizadas não foi possível reunir prova suficiente", justifica o MP numa n...ota divulgada esta terça-feira. (via Público)
...
Mesmo assim o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), onde decorreu a investigação, afirma que não foi "possível identificar, de forma conclusiva, todos os factos susceptíveis de integrar os crimes imputados aos arguidos Manuel Joaquim Dias Loureiro, José de Oliveira e Costa e ao suspeito Abdul Raham Salah Eddine Al Assir". Em causa estavam os crimes de burla qualificada, braqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada." (via Público).


É parecido ao recente caso do "Orelhas" da claque do Futebol Clube do Porto e "amigo" do todo-poderoso pinto da costa que, depois daquela agessão ao árbitro fica em liberdade... não fosse o pintinho zangar-se...

Claro que, se eu dever 2 cêntimos ao Fisco, se roubar um iogurte num supermercado, porque não tenho que comer, serei logo notificado e preso!

Ainda bem que não é comigo! Ou será?

É triste viver num país em que a justiça é feita e moldada por leis feitas pelos escritórios de advogados que defendem os escroques, os vigaristas, os ladrões... e os bancos lhes estendem a passadeira vermelha...

Comigo, basta atrasar um dia um pagamento, mesmo insignificante... e temos o sms do banco a lembrar que se não quer ver inibida a conta, terei que pagar célere...

Ainda bem que não me chamo dias loureiro, oliveira e costa, ricardo salgado e tantos outros... por enquanto escrevo o meu nome em maiúsculas porque me acho honrado e honesto.

Triste viver num país assim...

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

OS TÁXIS

Com estas manifestações de selvajaria, de agressão, de desnorte, de medo que provocam nas pessoas, os taxistas estão a perder toda a pouca razão que poderiam ter.

Quem agradece é a UBER que vai ganhando mais simpatias, mais clientes e mais força no mundo do transporte privado...

Comigo não contem para alimentar a fonte de rendimento desse Florêncio almeida que devia era estar a varrer as ruas de Lisboa, isto sem ofensa para os "Almeidas" desta cidade que se esforçam por mantê-la limpa.

Depois deste espectáculo de vergonha o que é que esperam? Simpatia? Apoio da população? Vivas?...

Tomem banho, penteiem-se e tenham o cabelo alinhado, vistam-se de forma decente, limpem os carros, baixem o som da telefonia, ponham ar condicionado, sejam corteses, não aldrabem nos percursos, sejam civilizados...

Estamos no século XXI, não estamos num pós-grande guerra do século passado...

Viram os carteiros a fazer greve, ou a bloquearem as ruas por ter aparecido o e-mail?

Viram as casas de fotografia a destruírem os smartphones ou a partirem vidros por ter aparecido a fotografia digital?

Sejam espertos, se tiverem capacidade para isso, e adaptem-se aos tempos modernos... criem plataformas, modernizem-se!

 

Acordem para a realidade!

terça-feira, 4 de outubro de 2016

ENTÃO? JÁ NÃO HÁ GREVES?

ENTÃO? JÁ NÃO HÁ GREVES?

O Metro de Lisboa, que até ao ano passado funcionava mais bem do que mal, desde há uns meses que não funciona... são menos composições em cada comboio, são os intervalos que se alongam, o material que está degradado e não substituído... Agora já nem há os bilhetes a sair das máquinas automáticas e há estações onde não é possível adquirir bilhetes. Até ao ano passado, quase que todas as semanas a Intersindical dava Ordem para que houvesse uma greve para lixar o pessoal trabalhador... Agora a Intersindical e os seus chefes comunistas do PC estão caladinhos... não tugem nem mugem...

A Carris quase que idem... e os sindicatos, sempre afectos ao PC, de bico calado... nem um protesto, ou uma ameaça...

As Escolas começaram com alguns problemas e o comuna, chefe da fenprof, aquele de bigode estalinista ou hitlerista, não sei bem, que nunca deve ter sido professor de nada, só de sindicalismo comunista, também deve ter perdido a fala e o entusiasmo em partir a loiça toda...

Até parece que vivemos numa república feliz.. sem problemas, sem conflitos, com abundância de tudo.

O melhor, acho eu, uma vez que os sindicatos não fazem nada... que acabem e ponham os chefes a trabalhar... as caras são sempre as mesmas... alguns são os mesmos desde o 25 de abril... não produzem nada para o país... que trabalhem ou se reformem...

Mas, enquanto não acabam ou se demitem, ao menos façam uma greve... de qualquer coisa contra qualquer coisa... É que já estou a ter saudades duma grevezita dessas, com cartazes distribuidos pela intersindical, as cornetas a apitar, as célebres palavras de ordem do "abaixo a reacção", "o povo unido"... e os autocarros das câmaras comunistas cheias de povo arrebanhado para um passeio a Lisboa...

segunda-feira, 20 de junho de 2016

LUA CHEIA




Hoje, a Lua Cheia entrou com o Verão! E entrou ainda o sol estava acima do horizonte... De um lado a Lua e do outro o Sol a reflectir-se nas janelas do prédio que escondia a Lua!

O Verão portou-se bem, hoje! Aqueceu os corpos e a alma! E, pelos vistos, a prometer calor que tanto tem faltado por aqui!...

Calores de outro género, sim! Muitos calores... ele é a política, ele é o futebol, ele é os escândalos financeiros, ele é quase tudo!

Mas calor deste, o calor solar, tem sido raro. É preciso aproveitá-lo bem! sem exageros, claro! Porque, se não, lá aparecem as queimaduras solares, o cancro da pele, as insolações...

Por isso, o proveito tem que ser "proveitoso" e bem aproveitado porque, com este tempo maluco, nunca se sabe quando é inferno ou é inverno, quando arrefece ou aquece, quando está seco ou molhado, quando venta ou o ar está parado...

Fica a fotografia, "in real time", acabadinha de entrar na posteridade!

Raul de Amaral-Marques

A LUA CHEIA em noite de Solstício!

segunda-feira, 13 de julho de 2015

sábado, 30 de novembro de 2013

AZUIS


Mas a Serra não tem só as flores dos medronheiros... 

Tem, também, outras flores brancas, amarelas, cor de laranja e de rosa, e tem estas, de um azul, quase violeta, com um olho bem amarelo... 

São lindas, porque são singelas... e é nas coisas simples que está toda a beleza...



(DO AUTOR - FLORES AZUIS DE OUTONO, EM PLENA SERRA DE SÃO MAMEDE) 


sexta-feira, 29 de novembro de 2013

CAMPAÍNHAS



Os medronheiros estão no seu pleno!

As folhas, bem verdes, contrariam o castanho, o amarelo ou o vermelho das folhas das outras árvores... 

As flores, que fazem lembrar campaínhas ou abat-jours de vidro coalhado, coexistem com o fruto, bem vermelho e perfumado...

E estão carregadas de flores, aos cachos, e de frutos, também...

Como se a Serra, ao jeito do Espírito do Natal, se tivesse decorado com estas árvores de Natal... só faltam as luzinhas a apagar e acender... mas, para isso, basta olhar o céu estrelado que cobre a Serra, nestas noites geladas de quase Natal...
  

(DO AUTOR - AS FLORES DO MEDRONHEIRO)


quinta-feira, 28 de novembro de 2013

PEGA



Passou ali uma boa parte da manhã... um vôo breve, um poisar no beiral e o arremessar de qualquer coisa brilhante ou colorida através das aberturas do ralo... 

Outras vezes passeava de um lado para o outro naquele passeio estreito e alto, embrenhava-se nas heras densas das extremidades e, ao fim de algum tempo, às vezes minutos, lá aparecia trazendo no bico um bago vermelho, ou uma carica reluzente, ou uma pedra branca guardando os seus tesouros no seu cofre de parede...



(DO AUTOR -  A PEGA A ESCONDER OS PRODUTOS DO SEU "ROUBO") 

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

AS CORES DA COLINA


A subida era íngreme... mas prometia... 

Lá no alto, as ruínas...

Mais ao longe...  a paisagem extensa feita de colinas, de vacas que pastam tranquilamente nos pastos verdes, de fumos que se escapam das chaminés e sobem na vertical, de neblinas distantes...

E ao lado... a paleta de onde a colina veio buscar as cores, para se pintar...




(DO AUTOR - AS CORES DA COLINA )

terça-feira, 26 de novembro de 2013

AMANHECER



Os amanheceres, ali, são sempre diferentes... ora acordam com a luz brilhante do Sol a reflectir o oiro nas águas do rio, ora se encontram no meio de uma bruma densa que aconchega as águas como se fosse uma manta de angorá ou, ainda, despertam cheios de uma chuva persistentemente molhada...

Prefiro aqueles, como os de hoje, em que a luz ténue se vai espreguiçando pelo espelho das águas mansas, avivando suavemente as cores da paisagem circundante...


(DO AUTOR - AS ÁGUAS SERENAS QUASE AO ACORDAR DO DIA)

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

SUAVE


Parece uma pintura... 

É só o que me apetece dizer...


(DO AUTOR - A MAGIA SERENA DAS ÁGUAS)

domingo, 24 de novembro de 2013

GOLDEN LEAVES


E, quando as folhas daquela árvore, no Jardim dos Acontecimentos, se começaram a cobrir de oiro, a magia aconteceu... 

... as nuvens tornaram-se de um cinza quase chumbo, o frio arrefeceu-se ainda mais, o lugar encheu-se de silêncios e, suavemente, os primeiros flocos de neve começaram a cair...




 
(DO AUTOR - AS FOLHAS A COBRIREM-SE DO OIRO)

sábado, 23 de novembro de 2013

VESTIDA DE OUTONO



Ao vestir-se de Outono a árvore foi-se despindo, lentamente, das folhas que a cobriam... 

Agora, esqueleto de ramos e de agulhas compridas, aguarda, serena, os frios do Inverno, feitos de vento, de gelo e de neve...

(DO AUTOR - VESTIDA DE OUTONO)

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

SESTA



Se estivesse uma tarde de sol e de calor imaginava-o a fazer a sesta, tranquilo, repimpado, gozando o quente...
 
Mas a tarde estava muito fria, o sol escondido por detrás de nuvens grossas e a sesta não era mais do que um enrolar-se sobre si próprio, agasalhado no seu manto de pêlo fofo e espesso, a guardar o calor do corpo...

(DO AUTOR - AGASALHADO)