Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

FÉRIAS

Imagino as férias como um período de tranquilidade, de amenidades, de paz... de pôr em ordem os sonos, de conviver com os amigos, de retemperar forças...

Imagino, mas a realidade é que nada disso aconteceu... a manhã começou cedo com o anúncio do sismo na zona de Lisboa, depois foi a chegada dos fumos dos vários incêndios deste país ardido (ainda existe algum eucalipto por arder?) que cobriram os céus deste Algarve abafado, em seguida os habituais cortes das A1 e A23 e mais umas quantas EN com números de 3 algarismos devido ao reacendimento dos mesmos fogos que não se conseguem apagar e, para acabar, o atentado nas Ramblas de Barcelona...

A preocupação, a angústia, as incertezas a tornarem o dia intranquilo na contradição daquilo que eu queria que fosse um dia de férias...

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

SACUDIR A ÁGUA DO CAPOTE





SACUDIR A ÁGUA DO CAPOTE

Hoje foi o azar do carvalho que matou 13 pessoas, há 2 meses foram as 64 mortes nos incêndios de Pedrogão, no dia a dia são os incêndios que vestem de luto este país, amanhã serão as inundações e os desalojados por causa das águas que saem dos leitos das ribeiras ... e estaríamos aqui o resto da noite a enumerar os acidentes preveníveis que poderiam ter sido evitados.

Mas, o pior disto tudo é que ninguém se assume como responsável ou culpado... A culpa, como sempre, morre solteira e toda a gente sacode a água do capote...



ES

sexta-feira, 7 de abril de 2017

AGORA QUE VI AS FLORES...

Agora que vi as flores
Encherem os campos de cores

Agora que senti o cheiro
Da hortelã semeada em Janeiro

Agora que o ondear das searas em desalinho
Se acaba em espuma de estevas na beira do caminho

Agora que as águas da ribeira
Correm serenas, à sombra da macieira

Agora que os dias se tornam mais luminosos
As andorinhas passam à nossa frente em voos vertiginosos

Agora que os cágados estão a despertar
De um sono que parecia não acabar

Agora que as papoilas sorriem ao dia
E o seu vermelho é um grito de euforia

Agora que a paisagem que nos rodeia
Brilha e encanta, como milagres em cadeia

É sinal que o Inverno acabou
E a Primavera chegou...





quarta-feira, 5 de abril de 2017

E SE FOSSE COMIGO?

Acabei, estupefacto, de ler a notícia de que foram arquivados os processos do BPN respeitantes ao dias loureiro e ao oliveira e costa:
"O Ministério Público (MP) anunciou esta terça-feira que arquivou um processo-crime aberto em 2009 em que o antigo ministro social-democrata Manuel Dias Loureiro era suspeito de burlar o Banco Português de Negócios (BPN). "Não obstante as diligências realizadas não foi possível reunir prova suficiente", justifica o MP numa n...ota divulgada esta terça-feira. (via Público)
...
Mesmo assim o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), onde decorreu a investigação, afirma que não foi "possível identificar, de forma conclusiva, todos os factos susceptíveis de integrar os crimes imputados aos arguidos Manuel Joaquim Dias Loureiro, José de Oliveira e Costa e ao suspeito Abdul Raham Salah Eddine Al Assir". Em causa estavam os crimes de burla qualificada, braqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada." (via Público).


É parecido ao recente caso do "Orelhas" da claque do Futebol Clube do Porto e "amigo" do todo-poderoso pinto da costa que, depois daquela agessão ao árbitro fica em liberdade... não fosse o pintinho zangar-se...

Claro que, se eu dever 2 cêntimos ao Fisco, se roubar um iogurte num supermercado, porque não tenho que comer, serei logo notificado e preso!

Ainda bem que não é comigo! Ou será?

É triste viver num país em que a justiça é feita e moldada por leis feitas pelos escritórios de advogados que defendem os escroques, os vigaristas, os ladrões... e os bancos lhes estendem a passadeira vermelha...

Comigo, basta atrasar um dia um pagamento, mesmo insignificante... e temos o sms do banco a lembrar que se não quer ver inibida a conta, terei que pagar célere...

Ainda bem que não me chamo dias loureiro, oliveira e costa, ricardo salgado e tantos outros... por enquanto escrevo o meu nome em maiúsculas porque me acho honrado e honesto.

Triste viver num país assim...