Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

PASSEIO DOMINICAL

O dia acordou lindo, cheio de sol, fresco como seria de esperar numa manhã de outono.

A bica habitual na Versailles, um ritual de domingo, desta vez foi alterada. Meteu-se na moto, atravessou a ponte, e foi até Sesimbra.

Ver o mar de perto, naquela praia de areia estreita,  junto às arribas, a sentir-lhe o cheiro a sal, a conversar com as ondas e segredar à espuma.

Ao sair reparou nas marcas das suas pegadas deixadas na areia daquela maré vazia e pensou que, dali a pouco, iriam desaparecer assim que as primeiras águas da maré a encher ali chegassem.

Fáceis da apagar, estas marcas de areia; assim outras, as da vida, às vezes se pudessem desfazer com a mesma facilidade.

A bica, essa, foi tomada num café de pescadores, acompanhada de uma broa de Alfarim, apenas levemente perfumada a anis e tostada, como ele gostava.

Sem comentários: