Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, 24 de outubro de 2010

CASTANHAS

Quentes e boas!, como diz o pregão!

Quentes, quase sempre, mas  boas são as assadas naqueles assadores de barro, com o carvão em brasa por baixo, preparadas e vendidas no meio da rua, naqueles triciclos ou em pequenos quiosques.

São um dos ícones do outono e do inverno!

 
Os castanheiros estão no seu pleno, os ouriços, bem espinhados, começam a soltar-se da árvore e a libertar as castanhas.

Têm um sabor único, lembram o frio, as mãos geladas a aquecerem-se no cone, feito de folhas de papel de jornal ou das páginas amarelas, cheio de castanhas quentes, o comê-las na rua, a caminho de casa, à dúzia, que ficam mais baratas.

No dia de São Martinho, que está quase a chegar, a celebração do Santo é feita com jeropiga ou água-pé e as imprescindíveis  castanhas.

As castanhas fazem parte da tradição, da época, dos sabores e dos cheiros da infância, assim como aquele fumo, quase ecológico, dos assadores.

Quentes e boas!, como diz o pregão.

Sem comentários: