Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

DIÁRIO DE BORDO (4)

"Neste dia de mar e nevoeiro... são os longos horizontes, os ritmos soltos dos ventos e aquelas aves... voam sempre dentro do teu sonho como se o teu olhar as sustentasse"  (Sophia, 1950).

E veio um nevoeiro inesperado, súbito e manso, silencioso, como é sempre o nevoeiro; os horizontes perderam-se  do limite do mar - mais perto? mais longe? -, mas na certeza de que estão lá, sem distância, sem tempo, mas ao dará que ele concede.

O vento, esse, acomodou-se, parou de correr e começou a cirandar, a passar na peneira do nevoeiro, a soltar-se em ritmos dispersos, em brisas momentâneas, inconstantes, flanantes.

E as aves a voarem, em círculos, para dentro da imensidão  dos sonhos feitos de bruma, de olhares distantes, e a sustentarem-se nessa visão inquieta de certezas inconcretas de que são feitos esses mesmos sonhos.



1 comentário:

Anónimo disse...

O SONHO É MINHA MELHOR EMBARCAÇÃO. O REAL É TÃO MAÇANTE.