Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, 14 de agosto de 2010

DIÁRIO DE BORDO (6)

"... Quero nos cais me deixar e me repartir
Se nesse mar me criei, eu sei de voltar...
Quantas as amarras desfiz, para me ver partir
Em quantos pontos deitei
E sonhei demais
Foram momentos de paz
E outros que eu não quis
Sei que esse mar me ensinou,
Tudo que aprendi..."   (Sonekka e Caito Spina).

Ei-lo, senhor de um mundo que não é dele. 

Espreitando horizontes, desconhecendo o fim ou o começo, escutando silêncios negando razões, julgando saber do destino, do amanhã.

Desfazendo nós, criando amarras, partindo longe e ficando aqui, sempre indo e sempre voltando, como  marés que se enchem e que se vão.

Aprendendo sempre, esquecendo logo, coerente e  inconstante, ardendo calmo como  fogo lento, arrastando tudo como tsunami de paixão.

Procurando paz no encontro da guerra, soltando âncoras agarrado ao cais.

Nesse o mar que o ensinou, nesse mar que aprendeu, o balançar da vida, o sobe e desce da ondulação, o vai e volta da maré...


Sem comentários: