Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 12 de maio de 2010

A MALA (ou AMÁ-LA?)

A língua portuguesa, por vezes, é muito traiçoeira.

Perguntava-me, neste fim de tarde de despedida, o que é que ainda tinha que fazer? A resposta veio-me pronta: o que tenho que fazer é a mala.
Mas, ao mesmo tempo veio-me a dualidade de expressão: o que tenho que fazer é amá-la.

De facto as homofonias, as cacafonias e outras fonias tornam a língua portuguesa rica de dizeres e de soletrares e só quem os entende bem é que os sabe interpretar.

Mas o mesmo têm as outras línguas. Lembro-me daquela aprendida nas aulas de Francês: "Le maire dit à la mère que la mer est amère" ou ainda, esta já ensinada mais tarde, o "Gal aimant de la Reine à la Tour Magne à Nimes" que se pode ler com a mesma entoação também como "Gallament de l'arène à la tour magnanime".

De facto, são os pequenos nadas de cada língua que lhes dão a riqueza de expressão e de entendimento.

Dizia-nos o Professor Gomes da Costa, nas aulas de Química Fisiológica: "agora vou dizer como os franceses quando falam belga - Choses"!

Sem comentários: