Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, 27 de maio de 2010

A GALINHA DA MINHA VIZINHA...

O mercado ainda tinha bastante gente. As bancas cheias de produtos, bem apresentados, atraentes na disposição e a pedir "Comprem-me! Levem-me"!

Apenas passei por passar. Um tempo escasso para relaxar de uma viagem de quase 3 horas e com hora marcada para ainda ir trabalhar.

E o Mercado foi o único local que me atraiu, ali, perto do Hotel.

Fiquei admirado com a boa disposição e amabilidade dos vendedores, com o cuidado em manterem os produtos frescos e atraentes para cativarem os compradores daquele dia.

E, à volta das bancas e nos corredores, o mesmo cuidado, o chão limpo, impecável, como se estivesse num ambiente hospitalar em que a higiene deve sempre ser uma preocupação, e os aromas agradáveis dos produtos frescos.

Dá gosto ver. Apetece comprar. Gostaria de levar os frutos apetitosos, o marisco fresco, o presunto perfumado, o pão de cereais bem crostado.

Mas não dá. Infelizmente!

O que, verdadeiramente me apetecia era levar o Mercado inteiro, assim, com tudo, a mercadoria e os vendedores. Ia regalando a vista, renovava os meus aromas, despertava o paladar para novos e diferentes sabores...

Acho que a esta hora, um outro turista como eu, deve andar a passear num qualquer mercado de Lisboa  a sentir o cheiro da fruta fresca, a regalar-se ao ver o peixe fresco, a passar perto dos enchidos e a perfumar o nariz com o aroma que exalam, a salivar diante da broa de milho acabada de cozer... e a pensar, talvez, o mesmo do que eu.

Não há dúvida que o provérbio funciona! A galinha da minha vizinha...

Sem comentários: