Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, 14 de novembro de 2010

A PRIMEIRA SAÍDA

Conhecera-a no início das aulas, tinham entrado, de novo, para aquela faculdade.

Ela, de cabelo ruivo, olhos de um castanho muito claro, um mel de rosmaninho, uma tez quase pálida.

Ele, alto, olhos pretos, cabelo crespo e forte, e tom de pele bem moreno.

Quando se olharam da primeira vez deixaram os olhares presos um no outro, os corações em sobressalto, as emoções a transpirarem... mas não falaram um com o outro, apenas aquela troca de olhares e um assentimento mútuo para ficarem sentados perto um do outro.

Passaram a andar juntos, a trocarem as notas que iam apontando nas aulas, a comerem lado a lado na cantina universitária, mas quando acabavam as aulas ela ia para casa dela e ele seguia o seu caminho. 

Ele ainda não tinha  tido a coragem para a convidar a sair, imaginava convidá-la para jantar, um jantar a dois, com velas, música ambiente, criados de camisa branca e lacinho preto e com copos de pé para o vinho. Tinha receio que o desiludisse com um não!

Mas ela aceitou, sem hesitações. Ele marcou mesa, foi buscá-la a casa e sentiu-se pessoa importante quando chegaram ao restaurante e disse que tinha mesa reservada.

Num canto, discreta, isolada o suficiente para consentir uma certa intimidade de conversa, a mesa, com uma toalha branca, imaculada, esperava-os. Escolheram o mesmo: rósbife, daquele muito fino, bem vermelho, com um molho espesso e bem quente, para contrastar com o frio da carne, acompanhado de esparregado, cebolas glaceadas e batatas fritas, das redondas, muito finas, estaladiças... 

Ela preferiu um vinho rosé, ele um tinto. Brindaram, olharam-se nos olhos, beberam e sorriram um para o outro.

A sobremesa  foi, também, partilhada... bolo de chocolate, a desfazer-se, quase, numa mousse líquida, saborosa. Café com um pau de canela e a refeição a terminar... mas a conversa não.

Pegou-lhe na mão e não disse nada... apenas deixou os olhos sorrirem-se-lhe. Ela anuiu com outro sorriso de olhar...



3 comentários:

Anónimo disse...

É sempre bonita esta fase do enamoramento... ainda por cima com uma primeira saída a um lugar de sonho!
Para o cenário ser completo só faltaram as flores e estas, seguramente, são rosas!

Anónimo disse...

É pena que nem sempre a literatura seja real...
Quem me dera ser essa mulher!

isabel mendes ferreira disse...

brindo!



ao comovente.


ao sempre novo dito assim.


beijo.

______________