Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 7 de setembro de 2010

DIÓSPIROS

Estão no ponto!

A árvore carregada, alguns já quase podres de maduros, a maior parte na altura certa para serem colhidos e uns poucos, ainda, em estágio para a colheita.


Dizem que são originários da China tendo sido posteriormente levados para o Japão e a Índia. Sempre os conheci por cá e sempre os apreciei. 

Na China o Dióspiro é conhecido como "alimento para os deuses". 



Para mim é sempre um fruto especial, não só pela cor alaranjada de diferentes matizes, mas também pela consistência da polpa, que é mole e parece ser feita de uma gelatina a desfazer-se, como pelo sabor único de tão adstringente que é, principalmente se ainda não estão totalmente maduros. A boca fica encortiçada ou "amarrada" tal a adstrigência do fruto.

O meu avô ensinou-me a comê-los com canela em pó. Acentua-lhes o sabor e corta-lhes o acre que quase faz encortiçar a língua e a boca.
 
Comem-se à colher e não precisam de açúcar.

São uma delícia!

Além do mais são ricos numa série de coisas: vitaminas (vitamina A), sais minerais (potássio), mucilagem e pectina, oligoelementos e outros  nutrientes que os tornam especiais e aconselhados. O que lhes dá o tal sabor adstringente e quase amargo é a grande quantidade de taninos que possuem. Mas não me vou alongar nas virtudes e vantagens em comer este fruto especial.

Os dióspiros, acho que no Brasil se chamam caqui, pois é deles que estou a falar, são como tudo na vida: há quem goste e quem não goste, quem se delicie ou quem sinta agonia. 

Mas, sobretudo, têm uma virtude: não deixam ninguém indiferente! 

 

1 comentário:

Anónimo disse...

OLá Raul!
Tens razão chamam-se mesmo caqui
Há quanto tempo não "ouvia" esta palavra e não deliciava-me com este fruto.

Beatriz Morcego