Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 27 de julho de 2010

TERÇA-FEIRA

"Doutore, meu nariz está cheio de feridas. Coloco gota nele fica a arder e quando assoo sai um fiozinho de sangue, bem vermelho. Tem mais! Espirro a toda a hora e sinto como uma goteira escorrendo na garganta. Isso dá uma tosse!"

É mineira, trabalha na limpeza e está em Portugal faz dois anos. Não perdeu o jeito de falar, nem a pronúncia. Não ganha muito, trabalha todo o dia e, ao fim de semana faz mais umas horas. Deixou dois filhos lá, com os avós, o pai das "criança" sumiu para o Rio Grande do Sul. Ela acha que ele tem lá mais filhos para alimentar. Os dela, os "mineirinho", ficaram só ao  cuidado da mãe! Vive com a irmã na outra banda do rio, num saguão, com uma cozinha pelo meio e uma casa de banho rudimentar; o quarto, onde dorme a meias com a irmã é interior e cheira a mofo.

Vida dura, má alimentação, pouco descanso, escasso dinheiro, sem inscrição na segurança social e, por enquanto, clandestina.

Diz que lá ainda é pior! Aqui, sempre junta algum dinheiro para mandar educar os "menino".

A receita digo que vá levantar na farmácia, aqui mesmo em frente, e que diga ao farmacêutico para "botar" o preço dos "remédio" na minha conta -  ele sabe! -, a consulta paga em "muito obrigado, doutor" e leva esta nota para ajudar no transporte de regresso.

Ainda há quem insista em dizer que não há crise?

2 comentários:

Anónimo disse...

Pois, (h)istórias comuns a tanta gente.
Brava gente brasileira...!, que não se importa de dormir,comer e fazer tudo pouco, pelos "menino".
Meu herói, mais uma vez.
Beatriz Morcego.

Maria Helena Cruz disse...

Deus te Abençoe