Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 28 de julho de 2010

QUARTA-FEIRA

"O pior é o cansaço!"

"Faço um gesto e fico a arfar. Quando era jovem arfava muito, mas era por outros motivos, por outros prazeres. Agora? Nada disso! Também o marido já tinha morrido há seis anos e eu, com estes oitenta e cinco, já não vou a lado nenhum!"

Foi assim que começou a conversa!

Não se queixava de nada, só do cansaço. 

Fora isso já tinha sido operada umas nove vezes: ao útero, ao ovário direito, a uma prótese da anca, ao coração, à vesícula biliar, ao outro ovário, a uma hérnia inguinal, a uma catarata do olho esquerdo e ao tendão da mão direita. Tomava uns dez medicamentos diferentes por dia mas, não se queixava de nada.

Só do cansaço! Que a deixava a arfar da sala à cozinha, e tinha que se sentar, e descansar, depois descascar as batatas para o almoço e a cansar.

Sim, é que vivia sozinha. Os filhos, longe, na vida!

Precisava dum remédio para o cansaço.

Que actuasse!

Não a deixasse naquele arfar de vida!

Esqueceu-se de mencionar que tinha fumado  desde nova. Deixara há 3 meses. Já não podia suportar o afogo que lhe provocava o cigarro. Pior ainda que o cansaço era a falta de ar com que ficava quando acendia o "maldito" e dava o primeiro trago. 

Mas agora não.

Era só o cansaço. 

Os pulmões aniquilados, anquilosados, os brônquios retorcidos, ressequidos... isso não interessava.

Agora era só o cansaço, terrível, angustiante, o arfar...

Que saudades do arfar de antigamente...

1 comentário:

Anónimo disse...

Sr. Dr., haverá um medicamento que actue, de facto, quando o arfar é causado pelo cansaço de viver?