Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, 20 de março de 2010

CORAÇÃO DE BATER RÁPIDO


Beatrice sonhava. Sonhava um grande amor. Um amor daqueles que arrebatam o coração, a alma, os sentires, os desejos, a vida…
A lua preenchia a noite com a sua luz. Uma luz suave, coada por um céu levemente enublado, que transmitia paz, aconselhava tranquilidade e amolecia aquele coração ansioso e de bater rápido.
A vida passada tinha-lhe legado lembranças que, não raras vezes, deixavam um misto de saudade e de raiva, como um sim e um não, que se equilibram nas proporções mas agitam a alma e aceleram esse bater do coração.

Daniello estava tranquilo, sentado na areia daquela praia vazia, com um livro na mão, mas a olhar longe o mar que rumorejava o bater das ondas pequenas de maré vazia. A lua fazia um carreiro de prata que ondulava ligeiramente sobre as águas quase tranquilas.

“Lindo, este luar!” Foi a única coisa que ela disse para aquele homem bonito, ali sentado. Ficou sem resposta. Será que não ouviu ou prefere ficar calado? De pé descalço foi-se aproximando daquela suave rebentação deixando que as águas quase mornas lhe viessem beijar os pés. Caminhou um pouco ao longo da praia e, quando voltou para cima ele já não estava lá.

Naquela noite Daniello teve dificuldade em adormecer. Aquele “lindo, este luar” dito por aquela mulher de voz grossa, mas quase cantada, com um sotaque italiano, ficou gravado nos seus ouvidos, atravessou-lhe o pensamento e não o deixou dormir. "Lindo, este luar"… a persegui-lo como um encantamento! Não dormiu, mas sonhou, muito!

Beatrice, naquela noite, teve dificuldade em adormecer. Aquele homem bonito sentado na areia, abandonado no olhar e desligado do mundo que o rodeava - e ela que era, naquele momento, o mundo que o rodeava, pois não havia mais ninguém na praia – deixou-a intrigada e de coração mais agitado. Tinham-lhe dito que, quando começasse a sentir o coração a bater mais desencontrado subisse e descesse umas escadas em ritmo apressado e tudo passava. Mas, desta vez, o bater descompassado era outro. Sentia calor no corpo, as mãos ficaram humedecidas de um suor fino, os lábios avermelharam e as emoções da sua juventude pareciam regressar. Não dormiu, mas sonhou muito!

Para Daniello o dia acordou de sol, límpido e de cores lavadas. Decidiu ir à cidade comprar uns livros. A paragem do autocarro ficava relativamente perto e o percurso até ao centro demorava cerca de vinte minutos.

Para Beatrice o dia acordou radioso, luminoso e a sorrir para ela. Tinha aula de saxofone das dez horas até às onze e meia. Praticava há três anos e faltava um ano para terminar o curso. Jazz era o que mais gostava de tocar. A paragem do autocarro distava uns cem metros da sua porta e o percurso até ao centro da cidade demorava cerca de vinte minutos.

Chegaram à paragem quase ao mesmo tempo. Olharam-se com surpresa disfarçada. Ele, por uma questão de cortesia, deu uns bons-dias tímidos. Ela, com uma ansiedade atrapalhada, respondeu com voz baixa ao cumprimento.
Desta vez foi ele que disse: “Temos um bonito dia de sol”. Com a voz grossa, mas titubeante, ela concordou e acrescentou: “Pena ter que ir para a aula de saxofone, apetecia muito mais praia”. “Com uma boa companhia”, respondeu Daniello, ao mesmo tempo que acenava à motorista do autocarro para que parasse ali.

Deixou-a entrar, cortesmente, e sentaram-se ambos ao lado um do outro. Não havia mais passageiros. A motorista, bem negra, cantarolava uma lengalenga monótona…”que raio de vida a minha, ninguém me leva deste lugar, queria de alguém ser rainha, queria contigo casar”… Sorriram um para o outro, com troca de olhares quase cúmplices e deixaram a viagem seguir.

A meio do percurso, perto do miradouro de Santana, Daniello sentiu que as mãos de ambos se tocaram, também os bancos não davam muito espaço e era natural que isso acontecesse. A sensação foi boa, apetecia segurar-lhe a mão, deixar que os dedos se entrelaçassem e sentir o corpo dela encostado ao seu. Beatrice apercebeu-se, também, que as mãos se tocaram, mas não fez qualquer gesto para afastar, pelo contrário, a sensação foi boa, apetecia-lhe segurar a mão, entrelaçar os seus dedos nos dele e sentir o corpo dele encostado ao seu.

“O luar, ontem, estava lindo” disse ela com a sua voz grossa. Desta vez ele respondeu: “Sim estava lindo, e mais encantador ficou quando você apareceu. O meu nome é Daniello, posso saber o seu?” “Beatrice”, respondeu ela acrescentado ambos, logo de seguida, um “muito prazer”.

Desta vez os olhos olharam-se fundo, como que se estudando mutuamente, as mãos foram-se apertando fortes, os dedos começaram a entrelaçar-se e os corpos a encostarem-se com firme determinação. Um sorriso imenso saiu daqueles olhares e um beijo longo confirmou o desejo de ambos.
Passou mais um tempo e eles continuaram, de mãos dadas, com os dedos bem entrelaçados e os corpos assumidamente bem colados. Num momento, ele afastou-se um pouco, olhou-a bem de frente, pegou-lhe de novo nas mãos e, em tom solene e com voz que se ouvisse, perguntou-lhe: “Queres casar comigo, queres ser a minha rainha?”
“Estava a ver que nunca mais perguntavas” sorriu ela com a satisfação a saltar-lhe do peito.

A viagem chegou ao destino e, de mão dada, saíram do autocarro sorrindo no momento em que a negra cantarolava …”deu sorte na vida minha, vou sair deste lugar, vou ser de alguém a rainha, e vou com ele casar”… ao mesmo tempo que lhes piscava o olho, com um sorriso cúmplice.

1 comentário:

Maria Helena Cruz disse...

É um conto, é imaginação até pode ser real.
É Lindo sem perda de tempo, e com determinação.