Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, 25 de junho de 2011

VENTOiNHA

O dia quente não o deixava mexer-se, o calor excessivo fazia-o suar abundantemente, qualquer tarefa era penosa demais, até o pensamento, o cérebro, parecia que tinham ficado adormecidos e não queriam acordar.

Deixou-se ficar recostado naquele recanto mais sombrio, de olho aberto ou a fechar-se, consoante os movimentos e os barulhos do exterior, a suar e a pensar o jeitão que não faria, naquela altura, uma daquelas ventoinhas de tecto a girar num compasso certo e a fazer-lhe chegar uma brisa constante que lhe fosse arrefecendo o corpo suado.

Mas era só mesmo pensar, imaginar... É que, naquele ermo, naquele deserto longe de tudo, a única brisa que fazia era a do jornal velho, de notícias há muito gastas, que ia abanando, de tempos a tempos...

Sem comentários: