Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, 23 de junho de 2011

OS MORTOS VIVOS

Neste país, à beira mar plantado, tudo é possível.

É um país singular!

Médicos mortos passam receitas a doentes que já morreram, e juízes jubilados, e já falecidos, continuam a receber subsídios de compensação (compensação de quê???).

A Inspecção-Geral das Finanças calcula que cerca de 40% dos gastos do Estado com a comparticipação de medicamentos possa ser irregular, o que significa qualquer coisa como 1,2 milhões de euros. E a ex-ministra da saúde, a socialista Ana Jorge, já tinha conhecimento de tudo isto. Afirmou a ex-ministra Ana Jorge, a título de exemplo, que "há medicamentos que foram vendidos 20 vezes sem nunca terem saído da farmácia". E se o afirmou é porque sabia. E isto, provavelmente, durante anos e anos. Esta fraude com os medicamentos deve ser, apenas, uma pequena parte, presume-se, do que se passa a nível do Ministério da Saúde.

Agora saiu mais uma notícia, esta vinda do Ministério da Justiça: o MJ não realiza controlo das folhas de vencimento, nem dispõe de informação actualizada sobre trabalhadores a quem processa as remunerações e suplementos sobre a sua assiduidade. Só em subsídios  de compensação a magistrados, após a data do falecimento, já foram 165 mil euros. Mas ainda mais grave, este subsídio de compensação continua a ser atribuído a 382 magistrados, quando o já não deveriam receber: qualquer "coisita" como 3,6 milhões de euros, só em 2009. E mais, também não foi cobrado o IRS (cerca de 4,6 milhões de euros em 2009) do subsídio de compensação atribuído aos magistrados do Ministério Público. E ainda se sabe da atribuição indevida de subsídios e ajudas de custo (349 mil euros) a funcionários de justiça.
(Esta informação foi colhida, hoje, no Jornal "Público").

E o que se passa nos outros ministérios? E nos institutos que foram, por aí, criados pelo "engenheiro" sócrates? E as fundações que são pagas pelo Estado? E sei lá o que mais...

É possível que o todo somado fosse capaz de pagar a dívida ao FMI. Nunca se sabe!

Eu empresto a máquina de calcular...


1 comentário:

Maria Paz disse...

Já não há vergonha nem limites. Não havendo culpados ficamos todos sob suspeita. Há que avaliar altas vidas com parcos vencimentos. E castigar, mas há muitos a encher os bolsos e os que descobrem acabam por sair sem mácula.