Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 26 de abril de 2011

REBUÇADOS DE MENTOL

Andava há uns dias com uma grande catarreira, com tosse, expectoração, dor no peito de tanto tossir e aquela sensação de febre.

Quase nem deu pela Páscoa, nem tocou nas amêndoas e nem provou do folar... as amêndoas foram substituídas pelo antibiótico, o espumante pelo xarope, o folar da Páscoa pelo anti-inflamatório, o doce de ovos pelas papas de linhaça que colocava no peito, ao deitar...

O aperto no peito dificultava-lhe o respirar, acelerava o bater do coração, e a tosse doía-lhe a garganta, enrouquecia-lhe a voz... aquela voz baixa, quase segredante, avinhada... 

Não havia maneira de passar, nem xarope, nem antibiótico, nem as papas de linhaça, nem o anti-inflamatório faziam desaparecer a tosse, agora seca, e a rouquidão que quase o não deixava ouvir-se a ele próprio.

Descobriu numa gaveta um velho pacote de rebuçados de mentol, daqueles verdes, embrulhados em papel de alumínio, com sabor inconfundível... 


A tosse foi, a rouquidão passou, e ficou quase bom ao fim de chupar dois daqueles rebuçados de mentol... 

Porque é que não lhe deu para abrir a gaveta mais cedo?

1 comentário:

Ritinha disse...

Olá, é só para te dizer que após uma pesquisa de imagens na google sobre rebuçados de mentol encontrei a tua e meti no meu blog, mas referenciei que a tinha tirado do teu blog, de qualquer das formas se quiseres que eu a retire é só enviar mensagem!