Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, 16 de abril de 2011

JOGAR AO ARCO

Ao ver o quadro lembrou-lhe a sua infância, a sua meninice passada na aldeia, num tempo sem televisão, sem computadores, sem telemóveis, sem câmaras digitais.

Difícil, agora, imaginar-se a viver, numa altura, sem estes objectos todos que fazem parte, imprescindível, da sua vida!

Mas, ao ver o quadro, as lembranças saltaram de imediato para aquele tempo em que, de calções coçados, botas de carneira e um boné, sempre, por causa do sol, andava a correr, no terreiro da aldeia, atrás do arco de ferro que o seu avô lhe oferecera...

(Salvador da Bahia - 2008)

1 comentário:

Maria Paz disse...

Tb gostava disso. Aqui cheguei e daqui não saio.