Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 16 de março de 2011

INSÓNIA

Aquela insónia terrível, aquele bater forte do coração, o palpitar desencontrado, tudo aquilo a criar-lhe ansiedade e a acentuar-lhe a insónia. Uma espécie de ciclo vicioso: quanto menos dormia mais se preocupava em adormecer, mais ansiedade aparecia... um tormento.

Passou a noite quase em branco. Sabia que tinha momentos de sono, mas sempre entrecortado por esses despertares frequentes.

Contou carneiros, foi atrás de borboletas, imaginou-se contadora oficial de nuvens, mas nada, quando a contagem ia alta os carneiros tresmalhavam-se, as borboletas dispersavam-se por todo o lado e as nuvens desfaziam-se em chuva...

As horas a avançarem, a noite a passar-se e o dia com tanto que fazer. Enroscou-se, desenroscou-se, virou para a direita, virou para a esquerda, pôs-se de barriga para baixo, mas nada. Mente desperta, olhos fechados, insónia presente.

Levantou-se, foi à gaveta dos milagres, abriu a embalagem dos comprimidos e resolveu tomar dois: dose dupla!

Voltou para a cama à espera do efeito desejado; até ficou mais desperta, de novo as palpitações, agora com latejar na cabeça, um bater compassado, um virar e um revirar na cama, e o dormir sem aparecer. Os minutos a passarem, as horas a acumularem-se, o despertador daqui a nada a tocar.

Resolveu levantar-se, encheu a banheira de água bem quente, espalhou os sais de banho, pôs uma música suave e enfiou-se naquele banho apetecente. Ainda tinha duas horas...

Acordou com o despertador, com a  água já morna, as duas horas passadas, mas o sono recuperado. 

Quando foi fechar a gaveta dos tais milagres deu-se conta que trocara a embalagem dos comprimidos, tinha aberto a das vitaminas... 

1 comentário:

Maria Helena Cruz disse...

Pois é, acontece quando não se coloca os óculos