Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

DOR DE GARGANTA

Acordou com dor de garganta. Custava-lhe a engolir, sentia uma dor forte, como se tivesse vidros, um arranhar, a sensação de que o pescoço estava inchado, a tosse seca, persistente, e os espirros, em catadupas.
Febre? Não sabia, não tinha o termómetro à mão, mas sentia-se muito quente.
Levantou-se da cama, procurou a lanterna e foi ver o fundo da garganta ao espelho: uma placa branca num fundo vermelho escuro, com péssimo aspecto.
Anginas! Se fosse médico diria amigdalite... era assim que dizia o Dr. Bernardo, quando era miúdo e ia lá a casa ver-lhe a garganta dorida.
Sabia que tinha um termómetro na gaveta dos remédios. Ainda era daqueles de mercúrio, daqueles que era preciso sacudir com força para meter aquele líquido prateado na bolsa de vidro e que, depois, metia na boca, debaixo da língua, um minuto. Marcava 38,6º C, um febrão... como antigamente, quando era mais jovem e tinha que levar as injecções de Penicilina. E se doíam! Era como espetarem-lhe vidros nas nádegas, e aquele rabo que ficava dorido durante dias.

Achava que devia ir ao médico, ou melhor, chamar um médico a casa. Tinha o seguro, e havia de servir para isso. Não estava bem... a dor, a febre, os vidros na garganta, a tosse, os espirros.

Lembrava-lhe o episódio do mês passado, quando o carro antigo, no esforço sublime da subida imensa daquela serra, começou a ferver, a espirrar aquele vapor todo do radiador, num espasmo de tosse.

Nessa altura ligou para o seguro e, em menos de uma hora, lá estava o mecânico e o reboque.

Agora era quase o mesmo, o carro a ferver e a febre, o mecânico e o médico, e a espera... como se o seu corpo fosse um carro a tossir e a espirrar o ferver do radiador. Só esperava que o médico não trouxesse o reboque!

Sem comentários: