Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, 1 de abril de 2012

TÁGIDES

(do autor - junto ao Tejo, às Tágides e à Torre de Belém)
"E vós, Tágides minhas, pois criado
Tendes em mim um novo engenho ardente,
Se sempre em verso humilde celebrado
Foi de mim vosso rio alegremente,
Dai-me agora um som alto e sublimado,
Um estilo grandíloquo e corrente,
Porque de vossas águas, Febo ordene
Que não tenham inveja às de Hipocrene.
Dai-me uma fúria grande e sonorosa,
E não de agreste avena ou frauta ruda,
Mas de tuba canora e belicosa,
Que o peito acende e a cor ao gesto muda;
Dai-me igual canto aos feitos da famosa
Gente vossa, que a Marte tanto ajuda;
Que se espalhe e se cante no universo
Se tão sublime preço cabe em verso."

Luís Vaz de Camões - Os Lusíadas na invocação às Tagides, Canto I , estrofes 4 e 5.





2 comentários:

MJ FALCÃO disse...

Boa escolha, Raul: poema e música! Viva a esperança e a alegria, não é? A alegria pode sempre voltar...
Grande abraço

Anónimo disse...

Os Lusíadas, sempre actuais. Lembram-me a minha juventude.

Beijos
Berta