Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 16 de abril de 2012

A ORLA DO MAR

Junto à rebentação, feita de ondas e espumas, os surfistas com as pranchas, as velas e os papagaios coloridos pintalgavam aquela orla do mar onde tudo começou...

(Do Autor - Praia do Guincho)

"Desde a orla do mar
Onde tudo começou intacto no primeiro dia de mim
Desde a orla do mar
Onde vi na areia as pegadas triangulares das gaivotas
Enquanto o céu cego da luz bebia o ângulo do seu voo
Onde amei com êxtase a cor o peso e a forma necessária das conchas
Onde vi desabar ininterruptamente a arquitectura das ondas
E nadei de olhos abertos na transparência das águas
Para reconhecer a anémona a rocha o búzio a medusa
Para fundar no sal e na pedra o eixo recto
Da construção possível


Desde a sombra do bosque
Onde se ergueu o espanto e o não-nome da primeira noite
E onde aceitei em meu ser o eco e a dança da consciência múltipla


Desde a sombra do bosque desde a orla do mar..."


Sophia de Mello Breyner Andresen, Delphos, Maio de 1970.


.

2 comentários:

Anónimo disse...

O Guincho! O mar autêntico, o vento forte, o abraço cúmplice. Sempre o Guincho me desperta histórias de amor.
Beijos
Berta

Carlota Pires Dacosta disse...

Da sombra do bosque "imagina-se" tanta cor, tanta alegria, até à orla do mar.
Basta fechar o olhos e sonhar.
Beijo