Ocorreu um erro neste dispositivo

sexta-feira, 6 de abril de 2012

ECCE HOMO

EIS O HOMEM... foram as palavras de Pôncio Pilatos quando apresentou Jesus de Nazaré, flagelado, de mãos atadas, com uma cana na mão direita (a fazer de ceptro) e uma coroa de espinhos, à multidão para ser tomada uma decisão sobre o destino a dar-Lhe.

Ele, Pôncio Pilatos, não Lhe encontrou nenhum mal mas a multidão não soube dizer outra coisa que: Crucifica-O! Crucifica-O!
(Ecce Homo - Caravaggio - 1571-1610)

(Ecce Homo, de Antonio Ciseri - 1821 - 1891)





Ao fim de mais de 2000 anos as multidões continuam a ter o mesmo comportamento carneiro, de rebanho obediente às vozes de comando das minorias...


Os homens a esquecerem e a não aprenderem!



.

2 comentários:

MJ FALCÃO disse...

Sempre belo o Caravaggio. Forte e doloroso.
Abraço do Manuel e meu

Anónimo disse...

Intenso e verdadeiro!
Beijos
Berta