Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 12 de março de 2012

OS ROMENOS

Andam pela cidade, juntam-se aos magotes nos jardins e nas praças, logo pela manhã, definindo estratégias...

Os homens, andrajosos, mal barbeados, sujos, e as mulheres de saia comprida e lenço na cabeça, com cheiro de quem não se lava, algumas com uma criança ao colo e, todos, na mão, com um copo de plástico pronto a receber as moedas que as pessoas vão deitando.

Depois da conversa de grupo, espécie de definição de estratégias, dispersam-se e vão-se sentar, isoladamente, em frente aos cafés, às saídas dos supermercados, ou junto às bancas de jornais e, ainda, nos passeios mais largos, onde há passagem apreciável de pessoas. Sentam-se, de pernas cruzadas, com o copo diante deles, a rezarem um ladainha onde apenas se entendem as palavras "fome", "ajuda", ou "comer"...

(do autor)
 Não sei quanto tempo demoram a encher o copo de moedas ou, mesmo, se o enchem mas, quase de certeza que esse dinheiro não fica nas mãos de cada um, mas vai parar às mãos de um chefe de equipa que recolhe todo o dinheiro, e lhes deve dar, em compensação, comida e alojamento (será?) e vai entregar o grosso do dinheiro ao chefe do gang. Não sei quantas equipas funcionam por essa Lisboa mas, pela amostra do meu trajecto matinal, devem ser uns bons milhares. Também não sei quanto rende este negócio. Quase de certeza que deve valer a pena, caso contrário não haveria tanta pedinchice e eles já se tinham ido embora.

Esta manhã, ao passar por um grupo destes romenos, lembrei-me do Pátio das Cantigas e do Vasco Santana que também tinha um grupo de miúdos a pedir para o Santo António. Só que a diferença era que os miúdos pediam com convicção, porque era para o Santo, e eram pagos em bolachas Maria (se conseguiam cinco tostões) ou em línguas de gato (se eram mais parcos na colecta)... uma recompensa certamente mais doce que a paga, quantas vezes em pancada, dos romenos que não conseguirem atingir os objectivos acordados...

Uma forma urbana de escravidão humana que se está a transformar numa rotina da nossa cidade!


2 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma triste evidência da degradação de uma sociedade que, hoje, muito pouco tem de humana.
Bjs
Berta

Anónimo disse...

CONCORDO!!!!