Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 1 de maio de 2012

MAIAS e ESTEVAS

Estamos em Maio e hoje é o primeiro dia.

O primeiro de Maio é também chamado o Dia das Maias, uma tradição que, antigamente, se estendia por todo o país.

Actualmente quase que só se celebra de uma forma singular, tal como o dia da espiga que, também, cada vez mais, vai perdendo  o seu significado... 

Neste dia ainda é costume verem-se algumas pessoas com as flores amarelas das maias e as brancas das estevas, nas mãos, ou fazendo uma coroa enfeitando a cabeça ou, então, colocando nas varandas e nas portas das suas casas, com o fim de afastar os maus espíritos. Albergaria-a-Velha é um dos poucos locais onde, por enquanto, se vai celebrando este dia das Maias.

Nalgumas regiões, de Trás-os-Montes ao Algarve, havia a tradição de se vestir uma boneca de palha de centeio e, depois, decorá-la com as flores amarelas das maias e as brancas das estevas...

Tudo tradições que se vão perdendo, tradições que, por unirem o profano ao religioso, foram sendo proibidas ao ponto de que, em Lisboa, no ano de 1402, por Carta Régia de 14 de Agosto, se determinava aos Juízes e à Câmara "que impusessem as maiores penalidades a quem cantasse as Maias..."

A verdade é que estes rituais pagãos, com algum cunho de religiosidade, não eram mais do que celebrações da Primavera, ligadas ao rito da fertilidade, a um novo ciclo da Natureza, com o desejo de boas culturas e boas colheitas...

(As Maias as flores das Giestas)
Mais tarde, e porque a voz do povo é a voz de Deus, a Igreja tentou associar esta festa das Maias a um cunho religioso e, pegando na lenda de Herodes que queria matar o Menino Jesus, encontrou-se a solução: para garantir que conseguiria matar o Menino, Herodes dispunha-se a assassinar todas as crianças da localidade onde o Menino Jesus se encontrava. Perante a possibilidade de tão significativo morticínio, foi informado, por um outro "Judas", que tal poderia ser evitado, bastando para isso, que ele próprio colocasse um ramo de giesta florida na casa onde se encontrava a Sagrada Família, constituindo um sinal para que os soldados a procurassem e consumassem o crime... A proposta do "Judas" foi aceite e Herodes tratou de mandar os seus soldados à procura da tal casa. Qual não foi o espanto dos soldados quando, na manhã seguinte, encontraram todas as casas da aldeia com ramos de giesta florida à porta, gorando-se, assim, a possibilidade do Menino Jesus, ser morto.

Fica a lenda e...



(do autor - Esteva simples - Serra de São Mamede)

(do autor - Esteva com ponto vermelho - Serra de São Mamede)

... ficam, aqui, as flores!
.

2 comentários:

Anónimo disse...

Não conhecia esta história e adorei! Obrigada pelo envio. Beijinhos, lola

Anónimo disse...

Na minha terra esta tradição jamais acabará porque o que não faltam são "MAIAS"!Há para todos os gostos:gordas, barrigudas,cheias,não de palha,mas de tudo o que não presta...!
Bj
S.M.