Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 16 de maio de 2012

MACARONI

Macaroni é uma das muitas espécies de pasta italiana, uma das coisas boas que os italianos inventaram e espalharam pelo mundo, muito provavelmente através das viagens e percursos de Marco Polo.

Mas Macaroni é, também, o nome de uma espécie de pinguim. É um pinguim caracterizado por ter uma crista de penas amarelas, a cabeça e o pescoço pretos, a íris bem vermelha e o bico grande e de cor laranja-acastanhado.


(Pinguim Macaroni)

Foram os marinheiros ingleses que deram o nome a este tipo de pinguim devido à sua crista ornamentada, pois Macaroni era um termo que designava um estilo de Inglaterra, dos séculos XVIII-XIX, marcado pela ornamentação e exibicionismo excessivos. Quem adoptasse este estilo era chamado de Macaroni!, como está bem recordado na letra da música "Yankee Doodle":

      "Yankee Doodle went to town
        A-riding on a pony,
        Stuck a feather in his cap
        And called it macaroni
        ..."

Yankee Doodle - George P. Morris - (música americana com origem na Guerra dos Sete Anos e música oficial do estado do Connecticut).

(do autor - Pinguin Macaroni no meio de uma colónia de Chinstraps)
Mas parece que o nome também pode vir de um corpo de elite do exército italiano, I Bersaglieri (atirador, artilheiro), uma unidade de infantaria de alta mobilidade, caracterizada por não utilizar a marcha militar nos seus percursos, mas a corrida cadenciada. Outra característica deste corpo de elite, criado em 1836, é o seu famoso chapéu de abas muito largas, decorado com penas negras de faisão. Penacho, esse, que também é usado nos capacetes de combate.


(Google image - capacete Bersaglieri)

E, como o macarrão e as pastas estão associadas à Itália e aos italianos, e ao seu aparente exibicionismo, aqui bem expresso no penacho de plumas de faisão dos chapéus e capacetes dos Borsiglieri, foi fácil chegar-se à expressão Macaroni.

Quando se deparou com aquele Galo Garnisé Holandês de Poupa - era assim que estava etiquetado à porta do galinheiro - veio-lhe à lembrança o tal Pinguim Macaroni, que descortinara no meio de uma colónia de outra espécie de pinguins, os Chinstrap, em aparente integração de grupo.


(do autor - Galo Garnizé Holandês de Poupa)


E foi assim que aquele galo, até então sem nome, se passou a chamar, a partir daquele momento, de Macaroni! É que até as penas da cauda fazem lembrar as do capacete dos Borsiglieri!



.

2 comentários:

Anónimo disse...

Raul

Não resisto a dar-te os parabéns por mais esta lição de saber. Obrigado, meu amigo.

Abraço

Toni

Carlota Pires Dacosta disse...

Raul.
Não me diga que depenou o galo, para engalanar o chapéu???
eheheh
Beijo