Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, 14 de janeiro de 2012

CHUVA

Parece que veio só de visita, que se vai embora daqui a pouco tempo, mas chegou generosa, farta e bem molhada.

Lavou o ar, limpou as ruas, e deixou a cidade a brilhar na noite, como se alguém tivesse passado uma camada de verniz brilhante, com um pincel enorme, pelas ruas, pelos carros, pelos jardins, por tudo o que, até há pouco, estava seco, baço e desengraçado.

E quando fez as primeiras tréguas, depois de ter molhado bem, tudo o que era para molhar, deixou-se ficar nos buracos e nas depressões das ruas e passeios, deixando poças e lagos por todo o sítio, a mostrar como esta cidade está maltratada: é o lixo que entope as sarjetas e não deixa escoar a água, são os buracos no alcatrão, que não são reparados, são as depressões nas pedras dos passeios feitas pelos rodados dos carros e camiões que estacionam em qualquer lugar, é a sujeira que se espalha por todo o lado...

Faz pena ver como esta Câmara se descuida tanto com a limpeza da cidade. Que importa ter jardins arranjados e modernizados, se estão cheios de papéis e garrafas de plástico?, as avenidas bonitas, com grandes espaços para os peões, com esplanadas, se o chão está atapetado de jornais, os caixotes do lixo derrubados, as papeleiras dos candeeiros a abarrotar e os excrementos de cão a obrigarem-nos a gincanas permanentes?

Quando tudo está sujo e desleixado, nada motiva as pessoas no seu civismo, mas se tudo está limpo e organizado, a colaboração na manutenção da limpeza é muito maior... uma coisa puxa a outra, uma coisa leva à outra!



1 comentário:

Anónimo disse...

Até dói na alma ver o abandono da cidade de Lisboa. Olho-a diarimente e lembro-me de guerra...

Beijos
Berta