Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, 12 de fevereiro de 2012

O PIANO

Meio desconjuntado, de tampa aberta, a mostrar algumas teclas soltas, de um marfim já muito amarelado e sujo, ali estava, abandonado.

(Do Google Images)
Tentou dedilhar um lamiré mas só lhe saiu, no lugar do Ré, um Fá, sustenido, que mais lhe pareceu um lamento, um gemido, um som de agonia, um desalento, um fim de vida...

Não lhe restava outra atitude que baixar, com respeito, e alguma dificuldade!, a tampa do velho piano, resguardando, de olhares curiosos e de mãos inábeis, aquele teclado agora inútil e meio desdentado.


2 comentários:

Anónimo disse...

A morte. Até a das "coisas" dói.
Beijos
Berta

Carlota Pires Dacosta disse...

Como o piano, há situações "estragadas" na nossa vida que mais vale nem lhes tocarmos.
Beijo