Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

DE PARTIDA

Estava frio na estação dos comboios. O vento desagradável, que levantava a poeira e fazia rodopiar as folhas de jornais abandonados, criava torvelinhos que a despenteavam e arrefeciam, ainda mais, o ambiente. A mala, pesada, com uma das rodas partidas, atrapalhava-lhe a pressa e incomodava-a pelo balançar rápido e pelo barulho ritmado do toc-toc.

Ia embora, numa partida solitária, mas necessária. Precisava de sair, de se afastar da asfixia da vida, ia ter com o filho. Não gostava do avião e sentia-se mais segura junto ao chão. Eram quase dois dias de viagem, mas não fazia mal... quanto mais tempo fora, melhor, mais longe do trabalho que acabou de perder, das angústias do dia a dia, das injúrias, do desconforto. Precisava, absolutamente, de dormir e a carruagem-cama ia dar-lhe resposta a essa necessidade. Até o balancear cadenciado da carruagem ia ajudá-la nesse adormecer.

E, enquanto o comboio saía da estação, quase deslizando,  ele, no cais, sabia que aquela partida já não teria mais regresso.

2 comentários:

Anónimo disse...

Eu adoro viajar de combóio! Muito mais do que de avião. Na Bélgica, fui muito feliz nos combóios.
E tenha calma. Há sempre um regresso!

Beijos

MJ FALCÃO disse...

Um triste testemunho que nalguma história verdadeira se baseará. Gostei! Abraço