Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 10 de junho de 2013

TEIA DE ARANHA



"Teci durante a noite a teia astuciosa
Dum poema.
Armei o laço ao sol que há-de nascer.
Rede frágil de versos,
É nela que meu sono se futura
Eterno e natural,
Embalado na própria sepultura.
Vens ou não vens agora, astro real,
Doirar os fios desta baba impura?"


Miguel Torga, Teia de Aranha, in Diário IX, 1964.



(DO AUTOR - A ARANHA E A TEIA)







1 comentário:

Anónimo disse...

Que bicho feio para um Poema LINDO!!

Ana Lacerda