Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 11 de junho de 2013

PIQUENIQUE


Nesta altura do ano os campos enchem-se de cores.

Para além do verde da erva que vai crescendo, vão ficando, também, cobertos de florinhas amarelas, azuis, violáceas, ou brancas... como se fossem imensas toalhas de piquenique, coloridas, postas pelos prados, à espera que as pessoas cheguem e, sobre elas, coloquem a comida, os pratos, os copos e as bebidas, sentando-se todos à volta.

A verdade é que, se o tempo estivesse de feição, se não chovesse assim, nem fizesse este friozinho desconfortável, certamente que, nestes dias de feriados, que ainda vamos tendo a oportunidade de gozar, estes campos floridos se iriam encher de famílias com os cestos, as mesas e as cadeiras desdobráveis, aproveitando a sombra agradável de um chaparro, de um castanheiro ou de um pinheiro manso. A comida seria farta, saborosa, tirada directamente das panelas, bem embrulhadas em jornais e em mantas para se manterem quentes. Os doces de colher, os pudins, o arroz-doce com canela, mais as boleimas e o pão de ló, bem molhado, certamente, não iriam faltar. Tal como as bebidas...

No tempo dos meus avós era quase assim! Os piqueniques organizavam-se com tempo, consultava-se o Borda de Água para saber qual o fim de semana que garantisse sol e calor, e lá iam todos, velhos e novos, numa alegria desmedida. Comia-se, bebia-se, festejava-se, brincava-se, adormecia-se à sombra da árvore e, antes de o sol ficar baixo em demasia, toca de arrumar tudo e acabou-se a festa!

Dias bem passados, esses...

(DO AUTOR - OS CAMPOS PINTADOS DE AMARELO NA PRIMAVERA QUE PERSISTE)


2 comentários:

Anónimo disse...

Que beleza de foto! os dias também andam magníficos por aqui.
Marion Mac Dowell

Anónimo disse...

Que saudades!! Obrigado por me recordar bons tempos...
Maria de Lourdes Silva