Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 12 de novembro de 2013

VERDE RUBRO


Não se cansava de a olhar... 
 
Não porque fosse uma árvore muito grande, ou muito frondosa... estava, era certo, ainda cheia de folhas e carregada de frutos, grandes, bem pesados, o que fazia com que os ramos viessem beijar o chão, tal a sobrecarga... alguns dos ramos, os mais frágeis, até se partiram, não suportando o peso... Sobretudo, admirava-a pela cor das folhas, pela maneira como se separaram de uma forma tão nítida, sendo todas das mesma árvore... de um lado, a assumirem a sua cor de outono, fazendo uma mancha bem vermelha... e, do outro, conservando o seu verde primitivo, a quererem manter o seu colorido de juventude...

O verde e o rubro, imitando as cores da bandeira...






(DO AUTOR - DIOSPIREIRO COM CORES DE OUTONO)


1 comentário:

Anónimo disse...

Maravilhosos, Raul!
Ivone Oliveira