Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 9 de julho de 2012

O QUE AMAMOS ESTÁ SEMPRE LONGE DE NÓS

(DO AUTOR - PONTA DELGADA - SÃO MIGUEL)
 

"O que amamos está sempre longe de nós:
e longe mesmo do que amamos - que não sabe
de onde vem, aonde vai nosso impulso de amor.

O que amamos está como a flor na semente,
entendido com medo e inquietude, talvez
só para em nossa morte estar durando sempre.

Como as ervas do chão, como as ondas do mar,
os acasos se vão cumprindo e vão cessando.
Mas, sem acaso, o amor límpido e exacto jaz.

Não necessita de nada o que em si tudo ordena:
que tristeza unicamente pode ser
o equívoco do tempo, os jogos da cegueira
com setas negras na escuridão."



Cecília Meireles - O que amamos está sempre longe de nós, in "Solombra"

4 comentários:

Anónimo disse...

Como me identifico com estes versos da Cecília!
Bjs
LM

Anónimo disse...

Agora que descobri este Blog gosto de ler, pela manhã, as coisas que deixa escritas.
Gosto imenso!
JAS

Anónimo disse...

A Cecília Meireles, apesar de ter-se tornado "brasileira" nunca negou a sua origem e a ligação ao seu arquipélago.
Lindo este poema! Triste também!
bj
Berta

Anónimo disse...

Raul, que maravilhosa foto sua, da Ponta Delgada, São Miguel- que você colocou no blog, ontem!
E a poesia da Cecília Meireles, belíssima, fez o complemento! One each other...
Parabéns por seu trabalho, que me encanta!
Beijos,
Vera