Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, 9 de abril de 2013

SALTAR AO EIXO


Uma das brincadeiras correntes dos recreios nas escolas, nos jardins infantis ou nas praias, no antigamente, era o jogo do saltar ao eixo.

Havia um que amochava o tronco para a frente, apoiava bem as mãos nas pernas e virava a cabeça para baixo, a olhar a barriga, e o resto do bando de rapazes e moças, em fila indiana, um de cada vez, iniciava a corrida, fazia a chamada para o salto e, apoiando-se nas costas do amochado, lá iam pulando e saltando por cima do sacrificado... E o salto tanto podia ser feito lateralmente como de trás para diante. Como se fosse o saltar do plinto, uma das modalidades olímpicas na disciplina da ginástica!

Tal como a cabra-cega, o jogo do lencinho, da macaca, ou as lenga-lengas da linda falua, ou o jogo do anel... tantos... o saltar ao eixo era uma das formas que a juventude encontrava para comunicar e se divertir... era no tempo em que não havia jogos electrónicos, nem telemóveis, smartphones, ipads nem todos esses objectos que isolam as pessoas e as vão afastando, irremediavelmente, dos outros...

O jogo do eixo era mais um jogo de rapazes - a saia das meninas dificultava o salto por ir esbarrar nas costas de quem fazia de obstáculo - que exigia alguma aptidão física para o salto e, à medida que o apuro se ia sofisticando, o elemento que fazia de plinto ia-se endireitando cada vez mais até ficar totalmente de pé, apenas com a cabeça vergada para a frente, fazendo-se o apoio das mãos, agora, não nas costas mas nos ombros...

Hoje, em dia, é raro verem-se jovens a jogar ou saltar ao eixo... o que não foi o caso destas duas orquídeas que, fartas de estarem imovelmente expostas para serem admiradas e fotografadas pelos visitantes do jardim, não se contiveram e toca de  saltar ao eixo... foram apanhadas no momento certo!






(DO AUTOR - A SALTAR AO EIXO - ORQUÍDEAS DO "NATIONAL ORCHID GARDEN" EM SINGAPURA)


7 comentários:

Anónimo disse...

Brincar, que hoje em dia as crianças nem sabem o que isso é!
Elisabete de Albuquerque

MJ FALCÃO disse...

Ainda bem que as orquídeas não esqueceram...
Abraço

Anónimo disse...

Coisas da infância de todos nós...
Maria João Falcão

Anónimo disse...

Não sei o que é melhor: texto ou foto. Só sei que o encanto transmitido é o mesmo! Obrigada pelo envio. Beijinhos, lola

Anónimo disse...

Belas as flores e bela a evocação de um jogo que a juventude de hoje já nem reconhece... Muitos valores se têm perdido, até estes, que se revestiam de tanta simplicidade e que levavam a uma sã convivência...
Maria Luísa Silva

Anónimo disse...

Que belo texto!
Maria de Lourdes Silva

Anónimo disse...

Tudo bom ,o texto , a foto . Aqui em casa os miúdos ainda jogam não ao eixo porque são mt pequenos mas a macaca que pintei no chão , ao prego (troquei o prego por uns saquinhos de arroz ) e um jogo da gloria preenchem os tempos livres . Na verdade os "crescidos"devem investir nestas actividades e não ficar comodamente sentados a ver a criançada ligada ao jogos .
Ana Eduarda Abrantes Amaral