Ocorreu um erro neste dispositivo

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

SURF

Era uma gaivota sabida, não muito velha, mas esperta como nenhuma! 

Voava como as outras, comia, como as outras, o peixe e os restos dos caixotes do lixo quando o peixe não abundava, adorava um dia de vento e tinha uma predilecção especial por um bom mar encrespado... Tudo, tal e qual, como as outras!

Mas tinha uma virtude que a tornava diferente das tais outras: é que gostava de observar o que se passava à sua volta, de ver como os homens se deslocavam no seu caminhar oscilante, de uma perna para outra, daí o andar gingão que foi adquirindo, de como flutuavam e nadavam, mesmo sem terem penas ou membranas entre os dedos e, mesmo, como voavam, sem possuírem asas próprias... Notou como os homens a imitavam com aquelas barbatanas enormes que eles, os homens, punham nos pés, ou como voavam, tentando copiá-la, dentro de enormes pássaros metálicos de asas enormes e quietas, que pareciam planar nos céus, mas fazendo um barulho imenso que a perturbavam no seu sossego.

As suas observações dos homens foram-na tornando, cada dia, mais curiosa... Reparou que eles iam beber muito da natureza para melhor se adaptarem ao seu dia a dia: já voavam quase como ela, por longas distâncias, mergulhavam nas águas, é certo que com aqueles fatos, óculos, tubos na boca e as tais barbatanas, olhavam através de binóculos para verem ao longe, quase tanto como ela, enfim!!! num imitar, quantas vezes grosseiro, do que ela e o resto da natureza faziam.

E como era esperta e curiosa, cedo começou a imitar os homens naquilo que ela, por hábito, não fazia. 

E assim foi que, encontrando uma tábua que lhe servia de prancha, se especializou em deslizar sobre as águas, aproveitando a corrente da ria, as ondas da maré, a força do vento e, quando tudo estava tranquilo e a superfície da água quase um espelho, lá ia dando um bater suave de asas para surfar, deliciada, como via os homens a fazer ali, a seu lado, mas puxados por barcos, ou sendo levados pela força dos ventos ou pelo tubo das ondas...

E, quando alguma coisa se complicava e a prancha saltava ou se virava, por força de uma onda onda mais revoltosa, bastava uma batida mais forte, nas asas já abertas, e lá ia ela pelas alturas, ao mesmo tempo que olhava para baixo a rir-se dos homens, a esbracejarem, aflitos, naquelas águas mais agitadas...

Daí ser conhecida, pelas outras, como a gaivota de imitação!

Mas ela sentia-se, isso sim, cheia do seu orgulho, e considerava-se, antes, uma gaivota de estimação!


(DO AUTOR - GAIVOTA A SURFAR NAS ONDAS DO MAR - CULATRA - ALGARVE)


.

Sem comentários: