Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, 12 de agosto de 2012

PAISAGEM


(DO AUTOR - ALGARVE AO FIM DO DIA)




"Passavam pelo ar aves repentinas,
O cheiro da terra era fundo e amargo,
E ao longe as cavalgadas do mar largo
Sacudiam na areia as suas crinas.

Era o céu azul, o campo verde, a terra escura,
Era a carne das árvores elástica e dura,
Eram as gotas de sangue da resina
E as folhas em que a luz se descombina.

Eram os caminhos num ir lento,
Eram as mãos profundas do vento
Era o livre e luminoso chamamento
Da asa dos espaços fugitiva.

Eram os pinheirais onde o céu poisa,
Era o peso e era a cor de cada coisa,
A sua quietude, secretamente viva, 
E a sua exaltação afirmativa.

Era a verdade e a força do mar largo,
Cuja voz, quando se quebra, sobe,
Era o regresso sem fim e a claridade
Das praias onde a direito o vento corre."



Sophia de Mello Breyner Andresen - Paisagem, in Obra Poética I







3 comentários:

Anónimo disse...

Ouvia bela sinfonia de Haydn abrindo correspondência neste domingo ensolarado – Dia dos Pais. Tentava, sem sucesso, comunicar-me com meu filho que vive, noutro fuso horário, na Austrália. Lendo sua mensagem, me emocionei. Obrigada por seus lindos textos e fotos que tanto enriquecem meus dias.

Beijinhos, lola

Anónimo disse...

Sua fotografia transmite uma paz imensa. Bela harmonia com a poesia da Sophia Breyner. Cenário perfeito para uma excelente reflexão! Bom domingo!
Bjs
Rita Rosário

Anónimo disse...

Bela combinação! Quero conhecer o Algarve...
Ana Hertz