Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

COMO UMA FLOR...


"Como uma flor incerta entre os teus dedos
Há harmonia de um bailar sem fim,
E tens o silêncio indizível dum jardim
Invadido de luar e de segredos.

Nas tuas mãos trazias o meu mundo
Para mim teus gestos escorriam
Estrelas infinitas, mar sem fundo
E nos teus olhos os mitos principiam.

Em ti eu conheci jardins distantes
E disseste-me a vida dos rochedos
E juntos penetramos nos segredos
Das vozes dos silêncios dos instantes."

Sophia de Mello Breyner Andresen, in Obra Poética - Dia do Mar.



(DO AUTOR - FOTOGRAFIA DE UM MURAL EM ANGRA DO HEROÍSMO - ILHA TERCEIRA - AÇORES)





.

2 comentários:

Anónimo disse...

Bem haja! Gosto muito deste blog...

Cristina Belo

Anónimo disse...

Poucos esquecerão esta mulher; ela será sempre o mais além, o algo que se acrescenta sempre ao que se viveu, que se sentiu ou que se perscrutou.

António Barroso