Ocorreu um erro neste dispositivo

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

DESBOBINAR O SONHO



No momento em que o sonho estava a acontecer, quando estava a chegar ao momento crucial, tocou o telefone e tudo se desvaneceu...

Bem tentou enrolar o sonho ao contrário, rebobiná-lo... lembrar, passo a passo, os passos do sonho... o pássaro a voar, o cão que ladrava, as flores vermelhas no vaso junto à janela, a nuvem branca que, momentaneamente, tapou o sol, o coaxar da rã no tanque junto à cameleira, o gato enroscado sobre o muro... de tudo se lembrava mas faltava-lhe o essencial, o que, verdadeiramente, sonhava, aquilo que ligava todos aqueles flashes de imagens!

E não houve maneira de dar a volta ao sonho, por mais que o fizesse andar para trás ou para a frente, como costuma fazer quando vê um filme em casa... a verdade é que o sonho não é, propriamente, como um filme: não tem película, não tem fita, nem suporte ou, sequer, um disco...

E a este sonho, como a muitos outros, não conseguiu encontrar maneira de o enrolar ou de o desbobinar... 

(DO AUTOR)




.


1 comentário:

Anónimo disse...

Muito bom, mesmo!!!!!!!!!!!!!!

Ana Hertz