Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A FLOR MURCHA



Nasceu de um gomo, de um parto quase violento, que libertou uma quantidade imensa de pétalas brancas, compridas, como dedos finos e delicados, que ficaram a coroar a haste verde durante todo o verão.

Linda que era, a flor...

E reinou, no meio do jardim, bem acima de tudo, a mostrar a sua coroa, a afirmar a sua nobreza, a chamar a atenção das abelhas, a cativar olhares, a despertar cobiças nas outras flores, mais rasteiras, mais modestas mas, também, flores.

Reinou enquanto pode, afirmou-se enquanto conseguiu, chamou a atenção das abelhas enquanto teve pólen, cativou enquanto deslumbrou até que, chegada a altura, começou a perder os dedos brancos, que foram amarelecendo, tornando-se grossos e encurvados, caindo no chão, atapetado de humildes florinhas cheias de cor...

E a flor, agora, em fim de estação, sem graça, a murchar no dia-a-dia, recolhe-se no anonimato e no quase desespero de se sentir ignorada e não olhada por ninguém, a fazer lembrar gente que se foi enchendo de importância, de balofice, encostada a um oportunismo de momento, frágil, inconsistente e inconsequente e que, por terem acontecido mudanças, por se terem alterado circunstâncias ou mudado apoios, voltam a ser as lesmas, invertebrados rastejantes, que lhe estão na massa do próprio sangue; não no carácter porque o não têm! 



(DO AUTOR - AGAPANTO (OU COROA DE HENRIQUE) EM FIM DE ESTAÇÃO)




.

1 comentário:

Anónimo disse...

Muito bonito, parabéns!
Ana Perestrello